Pages

domingo, 3 de março de 2013

OPERAÇÃO LOGISTICA

Produção é a função central das organizações, que vai empenhar-se para alcançar um objetivo na empresa. Bens tangíveis são aqueles que apresentam aspectos físicos, e os intangíveis o oposto. Ex: tangíveis: carro, imóvel, celular... Intangíveis: direitos autorais, ações etc.
Sistema de produção produto feito em etapas, utilização de máquinas, produção em alta escala, baixo tempo de fabricação.
Modelo tradicional Produção contínua: produção em massa, de fluxo em linha, mais eficientes; Produção por lotes: exige mais volume, podem ser diversificados quando estão prontos; Produção em grandes projetos: sem repetição.

Capacidade: Quantidade máxima de produtos e serviços que podem ser produzidos em uma unidade produtiva em um determinado intervalo de tempo.
Cadeia de Suprimentos: é um termo que descreve como as organizações estão ligadas entre si.
Gestão da cadeia de suprimentos é um processo que consiste em gerenciar estrategicamente diferentes fluxos (de bens, serviços, finanças, informações).
Efeito chicote a informação da demanda por um produto é distorcida à medida que passa de uma entidade à entidade seguinte na cadeia de suprimentos.
Logística é um ramo da gestão cujas atividades estão voltadas para o planejamento da armazenagem, circulação (terra, ar e mar) e distribuição de produtos.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Por que a distribuição de renda é tão desigual no Brasil?

Por que pouco se investe nas classes marginalizadas, com isso essas classes se tornam desprovidas de conhecimentos, e na maioria das vezes incapacitadas para o mercado de trabalho.
Os beneficiados são as classes altas que por receberem maior investimento, e por possuírem maior formação, se tornam preparados.
A culpa seria do governo, mas não somente do atual, mas dos antecessores, pois esse é um 'problema' que vem desde a época colonial, e a desigualdade das regiões brasileiras desde a república café-com-leite, o problema apenas se agravou com o decorrer dos anos.
O governo pode intervir nesse problema, se agir com eficiência, mas para que essa desigualdade venha a acabar, é necessário tempo, por que dificilmente ela acabara em alguns anos.

Considerações sobre o problema da inflação

1. Conceito de inflação
A inflação pode ser conceituada como um aumento contínuo e generalizado no nível geral de preços. Ou seja, os movimentos inflacionários representam elevações em todos os bens produzidos pela economia e não meramente o aumento de um determinado preço. Outro aspecto fundamental refere-se ao fato de que o fenômeno inflacionário exige a elevação contínua dos preços durante um período de tempo, e não meramente uma elevação esporádica dos preços.  

2. As distorções provocadas por altas taxas de inflaçãoO processo inflacionário, especialmente aquele caracterizado por elevadas taxas e particularmente por taxas que oscilam, tem sua previsibilidade dificultada por parte dos agentes econômicos, e promove profundas distorções na estrutura produtiva, inclusive provocando um equilíbrio abaixo do nível de pleno emprego.

2.1. Efeito sobre a distribuição de renda
 Talvez a distorção mais séria provocada pela inflação diga respeito à redução relativa do poder aquisitivo das classes que dependem de rendimentos fixos, que possuem prazos legais de reajuste. Neste caso, estão os assalariados que, corri o passar do tempo, vão ficando com seus orçamentos cada vez mais reduzidos, até a chegada de um novo reajuste. Os proprietários que auferem renda de aluguel também têm uma perda de rendimento real, ao longo do processo inflacionário, mas estes são compensados pela valorização de seus imóveis, que costuma caminhar à frente das taxas de inflação. Nesta categoria também estão os capitalistas, que têm mais condições de repassar os aumentos de custos provocados pela inflação, procurando garantir a manutenção de seus lucros. 3. Causas clássicas de inflação Como dissemos inicialmente, a inflação representa um conflito distributivo pela repartição do produto não adequadamente administrado. Tradicionalmente, a literatura econômica consagrou duas correntes básicas: a inflação provocada pelo excesso de demanda agregada (inflação de demanda) e a inflação causada por elevações de custos (inflação de custos).  

3.1. Inflação de demanda
A inflação de demanda, considerada o tipo mais "clássico" de inflação, diz respeito ao excesso de demanda agregada, em relação à produção disponível de bens e serviços. Intuitivamente, ela pode ser entendida como "dinheiro demais à procura de poucos bens".  

3.2. Inflação de custos
A inflação de custos pode ser associada a uma inflação tipicamente de oferta. O nível de demanda permanece praticamente o mesmo, mas os custos de certos insumos importantes aumentam e são repassados aos preços dos produtos. A sua natureza geral é a seguinte: o preço de um bem ou serviço tende a relacionar-se bastante com seus custos de produção. Se estes aumentam, mais cedo ou mais tarde o preço do bem provavelmente aumentará. Uma razão freqüente para o aumento de custos são os aumentos salariais. O aumento das taxas de salários, entretanto, não necessariamente significa que os custos unitários de produção de um bem aumentaram. Se a produtividade da mão-deobra empregada aumenta na mesma proporção dos salários, os custos unitários por unidade de produto não são afetados. Por exemplo, se os salários aumentam em 10% e a produção por trabalhador aumenta na mesma proporção, não há razão para se elevarem os preços, pois os custos salariais, por unidade de produto, permaneceram os mesmos.

Introdução à Teoria Monetaria

O que distingue a moeda das outras formas de riqueza é sua
característica de ser o mais líquido dos ativos. Liquidez, aqui, quer dizer sua capacidade de se transformar em dinheiro vivo ou facilidade com que o bem pode ser convertido em meio de troca da economia. Para que um bem possa ser considerado uma moeda, ele precisa desempenhar basicamente três funções: ser meio de troca: isto significa ser exatamente aquele elemento que vai viabilizar a ocorrência de milhares de trocas a cada momento; servir como unidade de conta: isto quer dizer uma medida que as pessoas usam para estabelecer os preços de seus serviços e bens, e fazer seus cálculos econômicos; e funcionar como reserva de valor: a moeda precisa guardar poder de compra ao longo tempo. Guardar poder de compra de hoje para amanhã.  

Tipos de moeda
Temos basicamente dois tipos de moeda circulando nas economias.
A chamada moeda-mercadoria e a moeda de curso forçado:
moeda-mercadoria: é aquela que toma a forma de uma mercadoria com valor em si. Mesmo não sendo moeda, teria valor, ou seja, seria aceita naturalmente. O exemplo clássico desse tipo de moeda é o ouro, mas existem outras mercadoriMódulo as que podem ser consideradas moeda-mercadoria, como por exemplo, o cigarro nos campos de concentração; e  
moeda de curso forçado: é a moeda que não tem valor em si mesma. Isto quer dizer que o meio utilizado para garantir sua circulação é por decreto governamental. Note que a aceitação desse tipo de moeda depende tanto da força de um decreto governamental como das expectativas e das convenções de uma sociedade.  


Demanda de moeda

A moeda, como meio de troca, é a maneira mais eficaz de um indivíduo adquirir os bens e serviços de que necessita. Entretanto, como uma pessoa não gasta toda sua renda no momento em que a recebe, podemos perguntar: por que esse indivíduo não aplica parte dela – a que não é consumida imediatamente – em títulos, que rendem juros? Existem três razões fundamentais que levam as pessoas a demandar e reter moeda em seu poder: primeira razão: o fato de os pagamentos e os recebimentos não serem perfeitamente sincronizados. A maior parte dos trabalhadores recebe seus salários no início do mês, mas os gastam, no decorrer do mesmo mês, com as despesas comuns de uma família, como aluguel, condução, alimentação, etc. Portanto, essa pessoa precisa reter moeda ou dinheiro em seu poder durante todo o mês. A essa razão para a retenção de moeda, damos o nome de demanda da moeda para transações; segunda razão: chama-se demanda de moeda para precaução. Isso significa que as pessoas previdentes sempre têm certa soma em seu poder, reservada para um imprevisto, como problemas de saúde, uma batida de automóvel, etc.; e terceira razão: é a demanda de moeda para especulação ou demanda especulativa. Essa razão está associada ao fato de a moeda funcionar como reserva de valor. Se um indivíduo já separou de sua renda aquelas parcelas destinadas às transações e à precaução, o procedimento mais razoável seria aplicar o restante em títulos, que rendem juros, pois nada acontece com o dinheiro quando está simplesmente em casa ou depositado em um banco, em conta-corrente. Oferta de moeda Nas economias modernas, quem oferece moeda ao público são as autoridades monetárias (Banco Central), em função das necessidades dos agentes econômicos. O conjunto de moeda manual (ou moeda corrente), depósitos à vista (moeda escritural ou bancária) e quasemoedas forma os meios de pagamento de uma economia.

domingo, 19 de junho de 2011

O Que Fazer



Bem, o sentimento que nos controla as vezes é totalmente contra a nossa vontade.
Sabemos que com aquela pessoa nós nao temos forças para que o nosso coração possa receber o amor que ele merecer ter,
ao mesmo tempo que ele quer dar todo o amor que existe dentro dele, ele necessecita receber. E quando da outra pessoa nao pode correspoder com o mesmo, fica meio dificil de ser feliz, sendo assim ficando um vazio dentro de nós...

É uma coisa surreal; amor, sentimento, alegria, diversões, estão presentes entre nóis, mais as vezes longe do nosso alcance !


AI EU TE PERGUNTO, O QUE FAZER?
Mesmo que estejamos dispostos a encarar outro caminho, vamos sempre ficar preso no "FALSO AMOR".


Por: DANILO SOUZA